VENCEDORES DO MÊS DE OUTUBRO DE 2017

Didi
Pug Charlotte
Dara - PetRun Floripa SC 3º lugar

Dicas e Curiosidades sobre cachorros - Filmes, Livros, Noticias, Reflexoes e Saúde

Existem 270 itens cadastrados.

O ser humano não só humaniza seus cães como também os infantiliza, consequentemente, usam a psicologia infantil para lidar com o medo do seu animal de estimação. Um bebê precisa se sentir protegido pela mãe quando tem medo, um cão precisa ser liderado com energia calma e firme quando tem medo. Uma cadela apenas dá ferramentas para que seu filhote cresça forte pra ganhar a vida tão logo seja possível, facilitando seu amadurecimento. Reforçamos o medo com carícias e palavras de consolo quando o cão está neste estado. Ao contrário do que se possa imaginar, isso não funciona como alento ao animal e sim como uma recompensa por sentir medo. É como se disséssemos “Bom garoto, sinta mais medo!” e, este medo irá aumentar gradativamente até virar uma fobia incontrolável. Um bom exemplo desse reforço de medo é a clínica veterinária. Quase todo cão mais submisso tem medo de clínicas, justamente por tentarmos acalmá-lo de maneira errada, muitas vezes incentivada pelos próprios veterinários, que embora sejam os maiores conhecedores de saúde animal, não aprendem psicologia canina na faculdade. O que fazer com um cão inseguro? Devemos ignorar o medo. Não olhar, não tocar e não falar com um cão nesse estado.  Se fizermos isso desde o primeiro sinal de medo, raramente evoluirá. Se seu cão já desenvolveu o medo, tente antecipar o evento causador do trauma e, antes que os sintomas apareçam convide-o para uma atividade que ele goste (passeio, brincadeira, treinamento com petiscos, etc.), ele irá associar o evento, antes traumatizante, a uma atividade positiva e perderá o medo. Essas dicas funcionam para cães que ainda não desenvolveram ou estão no nível 1 de medo. Se o cão está no nível 2 ou já desenvolveu uma fobia, é necessário consultar um profissional em comportamento canino, pois será preciso uma terapia comportamental o mais rápido possível, antes que o problema evolua ainda mais.

LEIA MAIS >

Você tem dificuldades para levar o seu animalzinho ao veterinário? Saiba que essa situação não é de sua exclusividade. Muitos donos sofrem para levar o seu pet ao médico veterinário. Muitos acabam com dó do animal e outros acabam perdendo a paciência. Se você passa por essa situação, veja algumas dicas para deixar a visita ao veterinário menos estressante para você e para o seu cão: – Visite o veterinário quando não tiver nenhum exame envolvido – Para que o cachorro não associe o veterinário a coisas assustadoras, leve seu bichinho ao consultório para procedimentos simples como verificar o peso. E se o cachorro associa andar de carro com as visitasao veterinário, é bom levá-lo a outros locais divertidos também, como o parque. – Leve petiscos e brinquedos – Entreter seu cachorro com o brinquedo preferido na sala de espera pode ajuda-lo a se distrair e, dessa forma, não sentir medo. E os petiscos podem fazer com que ele associe a visita ao veterinário com coisas boas. – Acostume seu cachorro a ser examinado – Torne como um hábito diário, tocar diversas partes do seu cão. Além de fazer com que seu acostume, é uma boa maneira de encontrar pulgas, carrapatos e, até mesmo, nódulos. – Escove os dentes do seu cão – Isso faz com que o cachorro se acostume com a ideia de ter alguém tocando sua boca. Além disso, previne diversos problemas bucais como cáries, tártaro e gengivite.  – Ensine comandos simples ao cachorro – Isso facilita a consulta veterinária. Os tradicionais “senta”, “deita” e “levanta” ajudam bastante. Se possível, também ensine o cão a trocar de lado quando estiver deitado. – Use aromaterapia – O uso de florais tem o poder de acalmar os cachorros. Dê preferência para as essências de lavanda e camomila. – Administre sua própria ansiedade – O humor, bom ou mau, contagia todos ao redor. Então se você estiver ansioso, o cachorro vai perceber e, provavelmente, ficará assustado.  

LEIA MAIS >

 Yoga para cães? É isso mesmo? Mas funciona? A Yoga é uma prática milenar que teve origem na Índia. Ela busca o equilíbrio entre o corpo e a mente, sendo também um tipo de meditação. Baseada na Yoga, foi criada a Doga (Yoga+Dog), uma derivação que é praticada pelas pessoas e seus cães. É uma forma de estar em união com os amigos de 4 patas e fazer um exercício bom para ambos. Essa variedade de Yoga surgiu nos Estados Unidos. Algumas pessoas entenderam que seria possível se exercitar enquanto curtiam um tempo junto aos seus cães. Os ásanas (posições da prática milenar) sofreram adaptações para proporcionar maior integração entre o animal e seu guardião. Durante a prática, eles fazem alongamentos, massagem e meditação, onde a pessoa auxilia o cão nas posições. Um desses movimentos é o alongamento em que a pessoa alonga o corpo, enquanto o cachorro está deitado sobre ela. Quem já fez Yoga, sabe que existe uma posição chamada “Adhomukha svanasana” ou “postura do cachorro olhando para baixo”. Essa postura foi realmente inspirada no movimento do animal e é bem comum o cachorro acertar de primeira esse exercício. Eles nem precisam ser experientes em Doga! Assim como na Yoga, não há limite de tamanho, idade ou raça para praticar a Doga. Ela também é indicada para acalmar os cães mais agitados. O importante é que ambos se sintam bem praticando a Doga, tanto o cão quanto o seu guardião. Afinal, o objetivo é melhorar a saúde e a qualidade de vida dos dois. O clima das aulas deve ser de harmonia e entretenimento. Depois de uma sessão de Doga, todo mundo sai relaxado. Quero praticar Yoga com meu cão! Se você resolver praticar a Doga, procure um espaço onde os instrutores sejam especialistas em Yoga e também entendam de cães, pois eles precisam saber controlar os animais. Por mais calmo que seja o seu cachorro, muitos cães juntos podem dar problema. Alguns praticantes dizem que se o cachorro ficar agitado, basta recitar o mantra aum (om) que tudo se acalma. Não custa tentar. Os benefícios reais da Doga ainda não foram comprovados, mas o legal aqui é escolher a melhor forma de viver bons momentos com o seu amigo de 4 patas.

LEIA MAIS >

O seu cão costumar roubar a sua comida? Então saiba como lidar com um cão ladrão. Você já se perguntou porque o seu cão dá uma de ladrão e rouba a sua comida? Mesmo ele comendo toda a sua ração, sem deixar nada no pote? A resposta é super simples. Para eles, a nossa comida é muito mais atrativa, nossos temperos e especiarias são percebidos de longe. Para eles, esse é um ato recompensador. Ele rouba a comida e percebe que ela é muito mais gostosa que sua ração. Por esse motivo ele se recompensou e volta a fazer de novo. Então, para que isso não se torne um hábito na vida do cão e na sua, evite deixar alimentos ao alcance dele. Em algumas situações, é extremamente difícil para eles se controlarem. Caso você queira dar algum tipo de alimento para ele, que não seja sua ração, evite dar enquanto você faz a sua refeição. Ele irá se acostumar com isso e tornará um hábito. Se o seu cão rouba comida quando você não está por perto, não tente brigar quando ele fizer isso na sua frente. Ele achará que fazendo isso, consegue chamar a sua atenção. Bole uma maneira de dar uma bronca despersonalizada quando não estiver por perto. Por exemplo, quando ele der uma de cão ladrão e for roubar algo, monte uma armadilha que faço algum barulho que o assuste. Dessa maneira ele vai entender que não pode roubar sua comida, apenas seu coração.

LEIA MAIS >

A adolescência canina vai dos 6 aos 9 meses, mais ou menos. Na adolescência canina, o mundo do filhote está sendo modelado por duas forças conflitantes. O desejo de agradar a você e a urgência de testar sua liderança são constantes. Ele quer saber se realmente não pode fazer aquilo que quer. Mas não pense que seja algo pessoal. Depois que o filhote entender que você certamente quer aquilo mesmo, você será respeitado. Abaixo algumas regras para lhe ajudar nesta fase: → Mantenha a calma. Não deixe que o filhote perceba que você está nervoso. Todos os adolescentes, não importa a espécie, têm um prazer perverso de nos ver assim. → Não deixe que o filhote lhe ignore. Se ele lhe desafia durante um passeio, por exemplo, puxando a guia, reforce os seus desejos. Se ele estiver sem guia e lhe ignorar, ignore-o e saia da situação. → Eduque a percepção do cão. Ensine-o o significado do “Não”. Roubar Quando o filhote rouba algum objeto, saia do local e feche a porta. Nesta fase, a maioria dos filhotes está mais preocupada em brincar que em roer. Se você ignorá-lo, ele perderá o interesse na brincadeira. Outra opção seria sair de casa: colocar o casaco e pegar as chaves é uma distração e tanto para ele! Leve o filhote para passear por pouco tempo, se você usar este truque. Senão, ele vai aprender que você só está blefando e não sai. Como último recurso, siga-o sem fazer contato visual e sem puni-lo, lentamente cercando-o em uma área pequena. Calmamente remova o objeto e, quando ele soltar, diga “Larga” ou “Dá”. Nunca puna o filhote, afinal, ele está aprendendo um novo comando. Recepcionar visitas Sempre peça para seus amigos que ignorem o filhote até que ele se acalme. Há três opções que você pode usar: designar um local específico da casa para que ele cumprimente as pessoas. Colocá-lo na guia e amarrar a guia na sua cintura para obter mais controle. Ou, se tudo der errado, coloque-o com seu brinquedo favorito. Quando ele se acalmar, leve-o para cumprimentar as visitas.

LEIA MAIS >

Seu cachorro parece dormir muito? Ou pouco? Será que ele está doente? Como é o sono do seu cão? Antes de dizer quantas horas um cão deve dormir, precisamos lembrar que eles, assim como nós, possuem características únicas. Um é diferente do outro! Há os mais agitados, os mais quietos, os que comem mais, os que comem menos, os que adoram água e os que detestam… e há os que adoram dormir e os que dormem pouco. Exatamente como nós, seres humanos. E o que determina o sono dos cães? A raça, a idade, o estilo de vida. Mesmo o fato de ser sozinho ou ter companhia de outro cão influencia isso – você também dormiria mais de estivesse sozinha o dia todo num apartamento, sem muito o que fazer. E até mesmo a estação do ano: ou você pensa que apenas você quer dormir mais no inverno? Ah, você está de brincadeira! No frio todo mundo quer ficar no quentinho, dormindo mais! Aliás, nos dias mais frios, é bom reservar um lugar adequado ao seu pet. Pegue um cobertor velho e dê para ele, use uma camiseta antiga para vesti-lo, mude sua casinha de lugar, onde haja menos circulação de ar – são boas sugestões.

LEIA MAIS >

A dermatite alérgica à picada de pulgas, é uma reação à saliva do parasita. Muitas vezes não é devidamente tratada, pois não ser corretamente diagnosticada. A verdadeira causa da alergia a pulga é a reação alérgica do cão à saliva da picada. A reação causa um edema local com coceira, pápulas, crostas e graus variáveis de perda de pelo. As lesões podem ser generalizadas e são mais frequentes na cabeça, no pescoço e na região da base da cauda, sendo esta última a mais comum em cães. Seu cachorro tem perda de pelo do começo do rabo até quase a metade das costas? Pode ser que ele seja alérgico a pulgas! Sinais Como os animais alérgicos se lambem muito, apresentam poucas pulgas. O que leva seus tutores a acreditar que a picada não é a verdadeira causa primária do quadro alérgico. Animais que tem exposição ocasional à pulgas tem mais sensibilidade que os que tem contato constante. Cachorros expostos a pulgas somente na fase adulta têm mais chance de desenvolver o quadro alérgico do que os que são expostos a elas desde filhotes. Normalmente, cães e gatos que apresentam esta patologia não apresentam alergia somente à saliva de pulgas. Apresentam também a outros alérgenos e são mais predispostos a infecções secundárias cutâneas. Tratamento Começa com o controle absoluto da infestação de pulgas, tanto no ambiente quanto no próprio animal. O que pode ser alcançado tanto por medicamentos alopáticos quanto por opções fitoterápicas. A opção de tratamento varia de acordo com o médico veterinário e com o posicionamento do tutor. Em alguns animais é necessária medicação para controle das infecções secundárias. O que também deve ser avaliado e prescrito pelo médico veterinário. Existem várias opções naturais de controle de pulgas e carrapatos, tão eficientes quanto os venenos normalmente receitados. Higiene Vale lembrar que além do quadro alérgico cutâneo, as pulgas transmitem várias outras patologias (doenças). Mantenha seu amigo livre de qualquer ectoparasita (parasitas externos) e foque no controle do ambiente. Apenas cinco por cento das pulgas se encontram nos cães e nos gatos, estando todas as outras no ambiente. Faça um controle rigoroso do ambiente, sempre retirando cães e gatos do local para dedetizá-lo e aspirá-lo, mesmo que os produtos utilizados sejam naturais. Dicas Prefira casinhas de plástico para cães que moram no quintal, pois não acumulam pulgas e seus ovos. Atenção redobrada para pisos de madeira, carpetes e tapetes, todos ótimos condomínios das parasitas! As folhas de neem (uma árvore indiana) é excelente para deixar cães e gatos longe dessa turma sugadora de sangue. Ela está presente em uma variedade de produtos, óleos que podem ser borrifados para proteger o ambiente, eliminando e repelindo, a suplementos alimentares.

LEIA MAIS >

Seu cachorro precisa de cuidados especiais para continuar saudável e feliz Ter a companhia de um animal de estimação é mesmo uma delícia. Eles não poupam alegria para nos divertir. Mas, para fazer tudo isso, precisam estar bem cuidados. Confira: 1. Limpe bem as orelhas Para prevenir a otite – uma inflamação no canal auditivo –, você deve remover os pêlos do ouvido pelo menos uma vez por mês. Além disso, deve fazer a limpeza do excesso de cera semanalmente, com soluções vendidas em pet shops, e colocar um protetor auricular ou uma bolinha de algodão bem firme na hora do banho. 2. Mantenha o bumbum cheiroso As fezes que ficam grudadas na região do rabo podem disseminar verminoses, doenças de pele, pulgas, carrapatos, que podem causar até anemia. Capriche na limpeza dessa região e faça a tosa higiênica uma vez por mês para diminuir os pêlos do bumbum e da barriga.   3. Corte as unhas das patinhas Se tem habilidade, pode bancar a manicure. Para isso, é preciso ter alicate canino e gel hemostático (encontrado em pet shops). Caso sangre, passe o gel na hora. Tome cuidado com cortes muito rentes. Se não sentir segurança, peça a um especialista. 4. Alimente-o com ração e lave bem a tigela Hoje em dia, as rações estão cada vez mais elaboradas e nutritivas. Por isso, você pode confiar! Depois da refeição, lave e seque bem o pratinho. A umidade é um prato cheio para fungos e bactérias, que causam uma dor de barriga infernal. 5. Mande-o já para o banho Cada bicho tem a sua necessidade. Aqueles que vivem em apartamento não se sujam tanto quanto os que ficam no quintal. Em geral, a média é lavá-los com intervalos de sete a quinze dias.

LEIA MAIS >

O inverno brasileiro começa em meados de maio e o vento gelado, as chuvas e as bruscas mudanças no clima são alguns dos fatores que têm contribuído para o surgimento de doenças oportunistas, como gripes e resfriados. E não são apenas os seres humanos que sofrem com o problema. Cães e gatos, apesar da pelagem que os protege, também precisam de cuidados especiais para que não adoeçam. Mas antes de sair fechando a casa para impedir que rajadas de ar frio entrem, é melhor ficar atento. Isso porque, os ambientes fechados e sem ventilação facilitam a transmissão de micro-organismos nocivos para os animais. Manter os animais de companhia dentro de casa não é o suficiente para evitar doenças. A prevenção é a melhor forma de combater qualquer tipo de problema. Nesse sentido, a administração de vacinas específicas é fundamental para proteger os animais de doenças graves, tanto para os cães quanto para os gatos. Os problemas mais comuns que atingem os pets nessa época são a tosse dos canis, também conhecida como gripe canina, e a rinotraqueíte felina, popularmente chamada de gripe felina. As doenças são transmitidas de animal para animal por meio de secreções nasais que aumentam com a chegada das baixas temperaturas.

LEIA MAIS >

A maioria das pessoas sabem que o olfato e a audição dos cães é melhor do que a nossa. Mas você sabia que os cachorros conseguem enxergar coisas que são invisíveis para os olhos dos humanos? O segredo dessa visão super poderosa é a capacidade que nossos companheiros caninos têm para detectar luzes ultravioleta.   Veja cinco coisas que os cães conseguem enxergar, mas os humanos não:   01- Pintas da banana brilhando Toda banana tem pintinhas pretas, mas os cães enxergam essas pintas com brilho azul. O motivo disso é sua visão ultravioleta.   02- Luz Negra Existem tatuagens, roupas e brinquedos que só conseguem ser vistos ou mudam de cor na luz negra. Seu cachorro não precisa de luz negra para enxerga-los.   03- Camadas da pintura Os cães conseguem ver todos os erros e mudanças de sentimentos dos pintores. Novamente, a explicação está em sua capacidade de enxergar luz ultravioleta.   04- Céu mais estrelado Quem mora em uma cidade grande percebe que o céu é mais estrelado no interior ou no litoral, por culpa da poluição. Mas os cães enxergam mais estrelas e corpos celestes do que os humanos, mesmo na cidade grande.   05- Fiapo e pêlo de cachorro Sabe quando você coloca uma blusa limpa, mas ao longo do dia percebe alguns fiapos e pelos de cachorro aparecendo? Bem, seu cão sabia disso desde que você vestiu essa roupa. Pois é, ele podia pelo menos avisar, não é ;)

LEIA MAIS >

O Yorkshire é um cão de fácil adaptação. Por ser de porte pequeno, eles são adequados para diversos tipos de lares, inclusive para apartamentos.   São cães que não exigem uma rotina de muito exercício, apesar de serem super energéticos e ativos. Mas por conta de seu porte, gastam toda essa energia rápido. Apesar disso, assim como todo cão, eles precisam ter uma interação diária de carinho e brincadeiras com seu dono, já que são muito afetuosos e leais.   Os cuidados com o yorkshire começa com a sua pelagem. A raça é conhecida por sua pelagem linda e sedosa, mas que requer um pouco mais de atenção. A escovação regular do pelo é essencial para devolver o brilho, eliminar os pelos mortos e evitar o aparecimento de nós. Além disso, a lavagem e tosa são importantes para manter o pelo saudável.    A raça também é conhecida pelo seu temperamento forte. Por isso, precisam de certos limites dentro e fora de casa , para que não se torne um cão teimoso, temperamental e nem agressivo com outros animais e/ou pessoas. Por conta dessa característica, ele se dá melhor com adultos e adolescentes do que com crianças e bebês, que ainda não sabem se aproximar direito do cão e podem deixá-lo de mal-humor. De certa maneira são cães possessivos e podem dar um pouco de trabalho caso você decida adotar um novo animal.   Apesar de todas as suas características, devemos enfatizar que o Yorkie é um cão de fácil treinamento. Se o dono lhe passar a segurança adequada, ele sempre será um cão amoroso com todos que se aproximarem. O problema é quando o dono abaixa a guarda, por conta de sua carinha fofa, e ele acaba dominando a situação. Se você é um pessoa que não gosta de liderança, repense antes de ter um Yorkshire. E se você é um dono com pouca atitude, repense suas ações e seja um líder melhor para seu cãozinho.

LEIA MAIS >

Filhotes são lindos, isso todo mundo já sabe. Mas você sabe como cuidar do seu filhote? Essa é a época mais fofa do seu novo companheiro, isso ninguém pode negar. Mas você já sabe de todos os cuidados que precisa ter para cuidar bem do seu filhote?  Ao nascer, a mamãe zela muito pelo cuidado de seus filhotes. No geral, ela tende a abandonar o bebê mais fraco e cuidar dos outros. Não é por mal, mas é o instinto dos animais. Ela amamenta o filhote por um período de cerca de 30 dias. Durante esse período, a única fonte de alimentação deve ser o leite materno. Caso ele chore muito, identifique se ele está conseguindo mamar, se não estiver procure um veterinário. O veterinário poderá ajudar indicando uma receita caseira que será dada com mamadeira. Meu filhote chora a noite toda, o que fazer? Se imagine no lugar do seu novo filhote: você foi "arrancado" de seus pais, do local onde nasceu e de todos os cheiros que você já estava acostumado. É claro que a adaptação não será simples e levará um tempo para acostumar. Afinal de contas, o seu cachorro também tudo o que sentimos... Medo, fome, pavor e solidão. Antes de você o levar para a sua casa, a mamãe dele ficava o tempo todo ao seu lado, trazendo segurança e proteção. Pode ser bem assustador para o filhote ficar sozinho, assim como era para você quando pequeno. Logo ele percebe que é interessante chamar a sua atenção. Já que, toda vez que ele chora, você vai a seu encontro para ver o que está acontecendo. E isso pode ser recompensador para ele, aliviando seus medos e inseguranças. Por isso, procure deixar seu filhote em algum lugar que ele se sinta bem. Traga alguns brinquedinhos que ele goste e procure deixar algo seu para ele sentir seu cheiro. Assim sendo, ele poderá se distrair e diminuirá a frequência de choro. É importante deixá-lo sempre seguro e contente para a adaptação ocorrer de uma forma mais rápida.

LEIA MAIS >

Publicidade

Gerao Pet

Cadastre-se e receba ofertas exclusivas!